quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Trote


Depois de momentos não tão empolgantes nas salas do Ensino Médio, ou pior, do cursinho, a recompensa: passar no vestibular, em uma das melhores instituições de Ensino Superior. Talvez o acontecimento mais marcante da vida de um estudante e, certamente, o melhor.
Como ritual de passagem ou simplesmente por diversão, o tradicional trote faz parte da vida de qualquer calouro, sobretudo os de Universidades Federais. Não é uma questão de humilhar os novatos ou qualquer interpretação que se possa ter, mas sim uma comemoração, um momento que será lembrado no dia da graduação.
Tendo isso em mente, o segundo semestre organizou ontem, 2 de setembro, o trote para os calouros e contou com a presença de muitos outros veteranos. Sendo assim, como publicação do CADIN, que é a representação acadêmica dos estudantes de DI, o PUDIN vem registrar o evento.
Nós sabíamos que todos os calouros tinham ralado muito para entrar na UnB, já que ingressaram no vestibular do meio do ano. Dessa maneira, o trote foi muito bem pensado e tirou algumas horas do tempo livre dos veteranos do 2° semestre para elaboração e idealização dele, bem como para a confecção de chapéus, carimbo, orelhinhas, torta... enfim, coisas a serem utilizadas pelos calouros, além das despesas com os materiais. E todo esse tempo que foi gasto pensando neles, foi feito com muito entusiasmo, uma vez que a motivação principal era o total merecimento deles estarem lá, na UnB.
Por isso, foi preparado uma série de atividades (mobilizadas pelos veteranos, Departamento, Lamparina e CA), pensando nos calouros, para que eles entendessem o quanto eram bem-vindos no curso: recepção, pré-trote, futcana, Dia D, HappyDIN, trote.
Entretanto, ontem, para o desapontamento de todos os veteranos, principalmente os do 2º semestre, alguns calouros não quiseram participar do trote, pelos motivos mais variados e alguns deles, revoltantes. Respeitamos a decisão dos que não quiseram comparecer, mas pelo fato do trote ter sido cuidadosamente preparado, é impossível que não fiquemos decepcionados com a atitude dessas pessoas.
O trote é mais do que sujar os calouros de tinta. É um momento de integração total entre eles e os veteranos. Não é vergonha alguma ser calouro. Muito pelo contrário... passar na UnB para o curso que você quer é uma grande conquista e deve ser devidamente comemorada, com tudo que um calouro tem direito.

Agradecemos a todos os que participaram: os veteranos, pela presença e os calouros (Ana, André, Clara, Gaia, Guilherme-Pequi, Marjorie, Mariana, Nayara, Nilton, Thiago, Vanessa) por entenderem que é um acontecimento único e por levarem na esportiva e com muito bom humor. Esperamos que vocês que participaram tenham gostado e sabemos que vocês 11 terão algo a mais do que se lembrar.

Fotos do Trote (câmera do Thiagoso)

Fotos do Trote (câmera do Carlos Eduardo)

5 comentários:

Cibele disse...

"e tenho dito".
*:

isabella disse...

apoiado, apoiado!

Lia disse...

existem formas mais democráticas de se fazer as coisas, galera... natural que nem todo mundo concorde, né?

(falo isso sem ressentimentos ou revoltas, ok? por favor não entendam isso como mais uma farpa)

e o clima agressivo dos veteranos do segundo semestre em relação aos calouros não é opinião somente dos mau-humorados, viu?


;)

Paula. disse...

agressivo? hahaha
quanta sensibilidade...

Estéfano disse...

é o seguinte...
calouro é calouro.. não tem essa q ja fazia outro curso..então.. isso não eh desculpa pra não participar do trote...então chega e fala q não quer participar da porra do trote pq não ta afim e pronto....

e po... o trote é um ritual.. como ja disseram....e no desenho o trote é mo de boa... a galera é massa... ngm apela...é um trote super saudavel..hhehehe

ok.. então semestre q vem quem for do 2º faz uma eleição pros calouros votarem sim ou não pro trote... ai sim fica mais democratico neh?

mas enfim quem não participou perdeu pq foi massa...